Beleza, felicidade e sangue menstrual

Precisamos do poder das teorias críticas modernas sobre como os significados e corpos são construídos, não para negar os significados e corpos, mas para viver em significados e corpos que tenham a possibilidade de um futuro (HARAWAY, 1995, p.16).

O ritual de plantar a lua consiste em regar as plantas com o sangue menstrual, para fertilizar a terra e devolver a menstruação para a natureza. Esta prática é efetuada com diversos intuitos, como simbolizar o contato com a terra e a ancestralidade.
Morena Cardoso, terapeuta corporal e escritora, que pesquisa sobre o assunto, diz que “as diversas tradições ancestrais narram ritos e mencionam a sua importância da menstruação’’. (Moura, 2019)
A comunicadora Luíza Junqueira do canal do YouTube “Tá querida” fala em seus vídeos sobre o “empoderamento feminino”. Para ela, o costume consiste em: “uma forma de ressignificar a minha menstruação, pois para a sociedade a menstruação é vista como uma coisa indesejada, suja, imoral, desconfortável e nojenta. Só que não é nada disso’’.
Como aponta Luíza Junqueira, o sangue menstrual fez com que as suas plantas ficassem mais bonitas. No vídeo, ela mostra a sua samambaia que passou a receber seu sangue menstrual e ficou bem mais cheia e “feliz”. Desta forma o significado da menstruação, para ela, mudou. O período fértil é visto de forma mais alegre e o sangue menstrual como algo “bonito’’, por ele mesmo em sua materialidade, e pelo seu resultado nas plantas também.

CeSaM
As CeSaM são as células derivadas do sangue menstrual. Elas são estudadas por pesquisadoras no Laboratório de Cardiologia Celular do Instituto de Biofísica da UFRJ. A antropóloga Daniela Tonelli Manica trabalha com os aspectos socioantropológicos destas pesquisas. E, durante as suas pesquisas de campo, as cientistas começaram a conversar com ela sobre o cultivo das CeSaM em laboratório. Durante a observação das células no microscópio, as cientistas costumam ver se a célula está “bonita” ou “alegre”, ou até mesmo “triste’’. Para elas, as células bonitas são aquelas que “se apresentam vivas o suficiente para participarem do experimento’’ (Manica et.al., 2019, p.233). Ou seja, a ciência também interpreta o aspecto das células advindas do sangue menstrual com parâmetros que falam sobre beleza e felicidade.
A Professora Regina Goldenberg, entrevistada por Daniela, comenta que as células do sangue menstrual carregam um estigma negativo, por serem advindas dos corpos que menstruam, mas que apesar de tudo isso, elas se expandem bem em laboratório e frequentemente parecem “bonitas” ao microscópio. Daniela e Regina escreveram sobre isso (Manica et. al.) e recentemente esse artigo foi apresentado no seminário internacional Simondon Indisciplinar (veja o vídeo aqui).
Desta forma, tanto o hábito de regar as plantas com o sangue menstrual, quanto de observar as células alegres nos laboratórios têm algo em comum, as células ficam radiantes e as plantas também. A “felicidade” e a “beleza” das plantas e das células ressignificam a negatividade usualmente atribuída à menstruação.
* Michelle Perez Dos Santos é graduanda em Ciências Sociais (IFCH/Unicamp) e bolsista BAS/SAE no projeto Tecnociências, corpo e gênero (Labjor/Unicamp).

 

Créditos da imagem: Foto tirada pela Clarissa Reche.

 

Referências bibliográficas
HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 5, p. 16, 2009. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773. Acesso em: 22 ago. 2021.
MANICA, Daniela Tonelli; FRAGA, Amanda M.; ASENSI, Karina D; GOLDENBERG, Regina C. ‘Células bonitas’: vitalidade e tecnoestética em um laboratório de biologia celular. In: Kanashiro, Marta Mourão; Manica, Daniela Tonelli. (Org.). Ciências, culturas e tecnologias: divulgações plurais. 1ed.Rio de Janeiro: Bonecker, 2019, v. 1, p. 233.
MANICA, Daniela Tonelli; GOLDENBERG, Regina C; ASENSI, Karina D. CeSaM, as Células do Sangue Menstrual: Gênero, tecnociência e terapia celular. INTERSEÇÕES – REVISTA DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES, v. 20, p. 93-113, 2018.
MOURA, Renata. Plantar a lua: o polêmico ritual com sangue de menstruação. BBC NEWS Brasil em Londres. 26 de Julho de 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-48745162. Acesso em: 13/09/21

+ posts

Leave A Comment